As Aparições de Maria: Senhora por que choras?

11 fevereiro, 2022

Semana passada falamos das aparições de Nossa Senhora de Guadalupe, de Nossa Senhora de Sion e estendemos as reflexões para Nossa Senhora de Aparecida, que apenas apareceu, mas trouxe simbolicamente a mesma mensagem. Essas aparições de Maria tiveram alguns pontos em comum e divergiram das demais aparições. Em nenhuma delas Nossa Senhora fez profecias ou pediu orações, mas em todas, de uma forma ou de outra, pediu o amor e respeito ao próximo, às diferenças, combatendo o racismo e nos conclamando a entender que todos somos filhos de Deus.

Hoje vamos falar das aparições (reconhecidas pela Igreja Católica) em que Maria se apresenta chorando: Nossa Senhora da Siluva, na Lituânia e Nossa Senhora de La Salette, na França.

A primeira aparição de Nossa Senhora na Europa foi na pequena cidade de Šiluva na Lituânia em 1608. A Lituânia era um país católico, mas atravessava momentos difíceis, principalmente a Igreja Católica com o avanço protestante no país quando muitas pessoas abandonaram a fé.

Maria apareceu chorando no local em que tinha sido construído 150 anos antes a primeira igreja dedicada ao nascimento de Maria. A pequena igreja de Siluva construída em homenagem à Natividade de Maria foi saqueada e queimada como muitas outras construções religiosas no país.

Aqui cabe uma pequena pausa para lembrar que Nossa Mãezinha, que carregaria Deus em seu ventre não poderia ter “a privação da santidade e justiça” que o pecado original carrega.  Assim foi no ventre de Sant’Ana que aconteceu a primeira derrota do demônio, pois todos que nasciam, até então eram “escravos” de Satanás pelo pecado original (Concílio de Trento). Negando essa condição à Maria os protestantes a feriam assim como os católicos omissos ou que a abandonavam também.

Maria apareceu chorando primeiro para jovens pastores que ali cuidavam de seus rebanhos e depois para várias pessoas da cidade.  Depoimentos desta aparição descreveram: “Numa grande pedra que lá havia, uma jovem e linda senhora aparece com um menino no colo. Ela tinha cabelos ao vento, estava toda arrumada, mas, em silêncio, chorava profundamente.”  (https://maejesus.blogspot.com/2016/02/nossa-senhora-de-siluva.html). “Senhora por que choras?” Maria responde que chorava pela profanação que seu filho (e ela) estavam sofrendo naquele local, pois ali era o lugar onde seu Filho fora adorado e que agora era um pasto para animais. Seu choro tocou profundamente aquelas pessoas. Muitos milagres passaram a acontecer por interseção dela, conseguindo o que ela pedia: que o povo se convertesse e se reconciliasse com Deus e que o catolicismo se restabelecesse na Lituânia.

A outra aparição que Maria aparece chorando foi nas montanhas de Salette.
Maria apareceu três vezes na França: em 1830 – Nossa Senhora das Graças Medalha Milagrosa e 16 anos depois; em 1846 – Nossa Senhora de La Salette, quando apareceu chorando novamente e 12 anos depois em 1858 – Nossa Senhora da Imaculada Conceição, de Lourdes. Nenhum outro país foi agraciado com tantas aparições.

Pouco mais de 30 anos depois da Revolução Francesa que historicamente marca o fim da Idade Moderna e o início da Idade Contemporânea, os efeitos nefastos para os valores cristãos já se faziam presentes. O berço das ideias revolucionárias que trouxe muitos aspectos positivos para a humanidade, foram se desdobrando na (muitas vezes triste) realidade que vivemos hoje.

A Senhora alta e toda de luz que se vestia como as mulheres da região (vestido longo, um grande avental, lenço cruzado e amarrado as costas e touca de camponesa) conhecida como Nossa Senhora de La Salette tinha muitos motivos para chorar. Ela apareceu primeiramente sentada, com as mãos cobrindo o rosto e chorando para dois jovens e humildes camponeses, quase analfabetos: Melanie Calvat e Maximim Giraud. A Senhora primeiro falou de sua grande tristeza com a ofensa a seu filho com a destruição de sua igreja (como em Siluva), mas aqui em proporções muitos maiores. A igreja era perseguida sacerdotes e freiras eram mortos, como a aristocracia francesa foi. Ao mirarem na Igreja apontaram os canhões para a religião.

Como depois aconteceu em Lourdes, Maria deixou a cada um dos camponeses segredos que só puderam ser revelados posteriormente: o de Maximin tratava da perda da fé na França, da Igreja se movendo na escuridão e da ascensão do anticristo. O segredo de Mélanie falava da perda da fé em Roma e de uma vindoura perseguição contra o Papa, os sacerdotes e os religiosos. Maria mostrava o sofrimento que haveria se o povo não se voltasse a Deus, avisando da fome e peste que recairiam sobre o continente europeu, caso não se convertessem.

Suas mensagens em sua vestimenta, como as de Guadalupe, também foram não verbais, simbólicas. Do seu pesado colar pendia um crucifixo resplandecente, com um martelo de um lado, e de outro uma torquês (instrumento para tirar pregos grandes ou cravos). O martelo (do seu lado esquerdo) simboliza os pecados da humanidade que pregam cravos em Jesus.  A torquês ou alicate (do seu lado direito) simboliza a oração e a conversão.  Deixando a mensagem de que “Cada vez que um coração se volta para Deus, um cravo é tirado de Jesus crucificado”. Chorando Maria pede que possamos escolher o alicate e aliviarmos o sofrimento de seu filho.

Nas ocasiões em que apareceu em pé seus braços estavam cruzados ela mostrava a sua tristeza por sua impossibilidade de ajudar. Maria não pode nos ajudar se nós não procurarmos abandonar a vida longe dos ensinamentos de Jesus. Em outras palavras, Maria não consegue nos ajudar se não reconhecermos que estamos em pecado por estarmos distantes de Deus. Sua pesada corrente sobre os ombros complementando essa mensagem mostra que Ela está acorrentada por estarmos distantes de Deus.

O primeiro pecado de todos os tempos é o do ser humano preferir a si próprio que a Deus. “Eu dou conta!”, “Eu consegui!” “Eu tive sorte”, “eu realizei” “eu posso”.  São “mantras da pós-modernidade, do individualismo, do egocentrismo! Enquanto eu negar a ação de Deus na minha vida, estarei em pecado: pecado contra a razão, contra a consciência. Maria nos pede conversão e oração. Jesus nos ensina a humildade. Cabe a nós agirmos com Jesus no coração para que Sua mãe não chore mais e para isso pedimos a ajuda de Deus!

Vania Reis

 

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

sábado 28 maio
terça-feira 31 maio
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por