Tese de doutorado concluída

11 abril, 2024

Padre José Paulino Francisco Neto, o pe. Paulino como nós chamamos, pertencente ao clero da diocese de Araçuaí, MG, exerce sua missão sacerdotal na Arquidiocese de Vitória desde 2020. Neste período esteve nas paróquias Sagrada Família em Jr. Camburi, São Pedro Apóstolo em São Pedro e São Francisco em Jr. da Penha, todas no município de Vitória. Durante este tempo, pe. Paulino conciliou sua pesquisa de doutorado e conclusão de sua tese com o exercício das funções religiosos a ele confiadas, desde que recebeu o “Uso de Ordem” em 09 de setembro de 2020. O próprio pe. Paulino explica por que sua tese foi desenvolvida na Arquidiocese de Vitória: “O motivo para residir aqui durante esse período resultou de um convênio estabelecido entre a minha Diocese (Araçuaí, MG) e a Arquidiocese de Vitória. Durante esse tempo, conjuguei os estudos com os serviços paroquiais e jurídicos (Tribunal Eclesiástico)”.

Neste momento, felizes com a conclusão de mais esta etapa, e pelo título de doutor obtido após o esforço de estudo, o Vicariato para a Comunicação o entrevistou para saber sobre a tese, os efeitos do estudo na sua caminhada e seu futuro.

  1. O senhor defendeu sua tese de doutorado recentemente. Fale-nos um pouco de sua escolha e tema.

Pe. Paulino: O tema da tese foi A “Recta Moventur Intentione” como sinal de Vocação à Ordem Sagrada: um estudo sobre a motivação subjetiva para o Sacramento da Ordem sob o juízo da Igreja.

Essa temática está inserida no livro IV do Código de Direito Canônico cujo assunto é a Missão de Santificar da Igreja. Refere-se aos sacramentos. Particularmente, a tese liga-se ao sacramento da Ordem.

O objetivo foi responder em que consiste a atitude de Reta Intenção em relação ao exercício do Ministério Presbiteral e apontar os limites e perspectivas dos meios de aferição da Reta Intenção em um candidato às Ordens Sacras conforme a atual legislação canônica.

A tese refletiu sobre os meios de aferição da Reta intenção e sobre as irregularidades para receber e exercer as Ordens Sagradas”.

  1. A pesquisa propõe algo novo?

Pe. Paulino: Propomos repensar o Modus Operandi atual da Igreja em relação aos escrutínios, perícia e direção espiritual. Sugerimos acrescentar a eles o meio eclesiológico e uma práxis eclesial mais sinodal desses meios de aferição da Reta Intenção.

  1. Todo o doutorado foi feito à distância?

Não fiz todo o doutorado à distância. Eu fiz os créditos pessoalmente na Pontifícia Universidade Católica da Argentina (UCA).

Durante o processo de pesquisa e elaboração da Tese, eu permaneci na Arquidiocese de Vitória.

  1. No exercício de sua missão, o aprofundamento do recorte temático de sua tese, já aponta frutos? Quais?

Eu diria que sim. Todo o estudo me prepara para exercer melhor o ministério presbiteral, assessorar os bispos na sua função de juíz na Diocese, qualifica-me para servir a Igreja na formação intelectual dos futuros presbíteros e instruir possíveis investigações prévias e processos contra delitos praticados por presbíteros.

  1. O que mais o marcou na caminhada do doutorado, seja no nível pessoal e de conhecimento?

Eu diria que a caminhada acadêmica doutoral se circunda de aspectos imensuráveis. Entre esses, marca a dedicação singular que esse processo dita, com dias bem difíceis e de renúncia.

Durante esse período, eu perdi o contato com muitas pessoas queridas. Durante esse tempo, eu tive que me ausentar de momentos relevantes de familiares, de amigos … recordo que perdi a formatura da minha irmã que meses depois veio a falecer. Doeu muito isso. Foi difícil não poder estar mais presente durante a sua luta contra o câncer.

Mas o que me marcou mais foi a compreensão e apoio dos bispos, dos irmãos presbíteros, da família e de muitos anjos que Deus me deu. Foi muita caridade e compreensão que eles usaram para comigo. Não há um modo concreto de eu manifestar a gratidão na intensidade que algumas pessoas merecem.

Terminada essa batalha, recordo-me de um pensamento que, durante a pesquisa, marcou-me profundamente e que quero guardar no meu interior. O pensamento é de São Bernardo: “Há pessoas que querem saber só com o objetivo de saber, e é torpe curiosidade. Há pessoas que querem saber para serem apreciadas, e é torpe vaidade. Há pessoas que querem saber para vender sua ciência, por exemplo, por dinheiro, pelas honras, e é torpe ganância. Mas há pessoas que querem saber para edificar, isto é caridade” (Sermão 36).

Eu rezei e rezo que essa indicativa norteie o meu agir como pessoa, presbítero e acadêmico. Que eu nunca perda a virtude da Caridade.

  1. O senhor continuará na Arquidiocese de Vitória?

Não. Eu voltarei para servir a Igreja de Cristo que está na querida Diocese de Araçuaí, sob os cuidados pastorais de Dom Esmeraldo.

Confesso que humanamente terei que lutar com um sentimento de saudade. Eu fui muito bem acolhido na Arquidiocese. Eu gostei muito desse tempo que estive aqui. Serei eternamente grato aos amados dom Dário Campos e dom Andherson Franklin, aos irmãos presbíteros e ao Povo de Deus. Que povo maravilhoso!!! Nunca me esquecerei dos fiéis de Jardim Camburi, São Pedro e Jardim da Penha. Sinto-me bastante comprometido a lembrá-los sempre em minhas orações. GRATIDÃO ETERNA!!!

 

Banca avaliadora da tese
Compartilhe:

VÍDEOS

segunda-feira 20 maio
terça-feira 21 maio
quarta-feira 22 maio
quinta-feira 23 maio
Nenhum evento encontrado!

Facebook