3º dia do Oitavário

19 abril, 2022

O terceiro dia do oitavário da Festa da Penha 2022 refletiu sobre a saúde emocional. Atualmente quantas pessoas sofrem mais com doenças da alma do que no corpo? O pedido deste dia é para que a mãe da Penha, Saúde dos Enfermos, venha ao encontro dos seus filhos necessitados. A Imagem de Nossa Senhora da Penha foi levada ao altar carregada por profissionais da saúde, os confrades do Convento e os ministros da Área Cariacica/Viana – que animou a liturgia da missa da tarde de hoje (19).

A Área Cariacica/Viana esteve representada por suas 18 paróquias: Nossa Senhora da Conceição, Mãe da Divina Misericórdia e Santa Clara de Assis, do município de Viana. E Nossa Senhora da Penha, Virgem Maria, Maria Mãe da Igreja, Bom Pastor, Bom Jesus, Cristo Rei, Sagrada Família, Sagrado Coração de Jesus, Santa Ana, São João Batista, Jesus Libertador, Santa Maria Goretti, Santíssima Trindade, São Francisco de Assis (Porto de Santana) e São Francisco de Assis (Ceasa).

O presidente da Celebração Eucarística foi padre Rodrigo Costa Silva, da Paróquia Sagrada Família, no Bairro Nova Rosa da Penha, em Cariacica. A homilia foi conduzida pelo padre Vitor Cesar Noronha, do Santuário Bom Pastor. A equipe de música foi composta por membros do Santuário Bom Pastor, em Campo Grande e da Paróquia Santíssima Trindade, em Vila Capixaba. Marta da Paróquia Cristo Rei (Campo Verde) foi a animadora e Rosângela da Paróquia Sagrado Coração de Jesus (Itaquari) fez a primeira leitura. O Campinho do Convento esteve mais um dia repleto de fieis.

Em sua homilia padre Vitor falou sobre a alegria da Virgem Maria no Cristo Ressuscitado, Cristo vivente e sobre o quanto é fundamental a experiência pessoal de cada cristão com este mesmo Jesus. Ele destacou que liturgia de hoje ensina que nosso Deus não está morto e sim vivo no meio de nós: “Ainda hoje é possível estarmos do lado do espírito da morte, do pecado, do espirito divisor, mas é possível também sermos impulsionados pelo Espírito Santo de Deus, aquele que foi enviado, aquele que vivifica e a leitura do evangelho nos dá pistas muito preciosas para fazermos esse discernimento, para fazermos esta experiência que muda todas as coisas”.

O sacerdote também destacou que Jesus foi violentado e não morreu a de um acidente ou uma doença qualquer e que as mulheres têm grande importância: “Jesus foi perseguido num complô terrível dos poderes políticos, religiosos, econômicos, imperial e os subordinados a ele, os judeus e aqueles que eram seus seguidores, depois da crucificação, estavam com muito medo, estavam fechados, haviam perdido a esperança. Maria Madalena foi aquela mulher que se levantou e correndo o risco de morte, ela sim estava na porta do tumulo. Sabemos que as mulheres têm papel central na história da salvação. A salvação entrou no mundo por uma mulher, Maria Santíssima a qual dedicamos essa festa”.

Padre Vitor refletiu sobre o papel de cada cristão segundo o projeto de Jesus. “Se queremos encontrar o Cristo ressuscitado devemos ir – ouvindo o clamor do Papa Francisco para sermos uma Igreja em Saída – às galileias deste mundo. Galileia dos vencidos, galileia dos últimos. Devemos estar com as pessoas em situação de rua, com os encarcerados, com as pessoas LGBTS, com os negros, todos aqueles que sofrem opressão e discriminação. Ali a Igreja deve estar e isso tem um fundamento espiritual. O espiritual não é aquele que fica muito alienado fora das coisas desse mundo, o espiritual é aquele que como Cristo Jesus se faz carne, na carne dos últimos”.

Sob aplausos e manifestações dos fiéis que estavam no Campinho, padre Vitor finalizou sua homilia fazendo uma crítica sobre os sinais de morte de vemos nos dias de hoje. Falou sobre o o veto do Governo Federal à distribuição de absorventes para as meninas pobres e em contrapartida o dinheiro público utilizado para compra de itens polêmicos para as Forças Armadas.  O padre também criticou o armamento afirmando que somos todos irmãos, uma só família em torno de Deus que é Pai, uma só mesa da Eucaristia e que os cristãos devem fazer a partir da força do Ressuscitado um mundo de iguais.

“Escutemos o que Pedro diz que os poderosos e opressores deste mundo buscam nos corromper. Mas lembremos sempre que Jesus, aquele que assassinaram, que mataram, Deus fez Senhor e Cristo. O Cristo não é um Cristo com arma na mão, é um cristo com toalha e bacia nas mãos. O Cristo não está por cima dominando e explorando como os poderosos deste mundo. O Cristo está por baixo lavando os pés. Os poderosos, como Pôncio Pilatos lavam as mãos, Jesus está a serviço lavando os Pés. Por isso ele não disse ‘armai-vos’ uns aos outros e sim ‘amai-vos uns aos outros’. Este é um sinal da salvação”.

Na homenagem foi lido um texto falando de “Maria, Mãe das Missões”. Enquanto isso entraram 03 pessoas, vindo da Capela no meio do povo, segurando o Terço missionário simbolizando os continentes enquanto entoava-se o Canto: ‘Maria, Mãe Missionária’ por Jonny Mendes e Elaine. O momento – que teve a participação da Legião de Maria da Paróquia Santíssima Trindade – encerrou-se com a oração da Salve Rainha.

Nesta quarta-feira o tema refletido no dia é “Saúde da Fé”. Na programação acontecem missas às 7h, 9h, 11h no Campinho. Às 11h tem a visita da imagem de Nossa Senhora da Penha ao Pronto Atendimento de Alto Laje, Cariacica, com bênção aos doentes e trabalhadores da saúde. Às 14h, o Programa Salve Mãe das Alegrias; às 15h30, Devocional oitavário; às 16h, Santa Missa do 4º Dia oitavário com a Área Pastoral Benevente e na programação noturna, às 19h30, acontece a apresentação da Orquestra Sinfônica do ES, presencial no Santuário de Vila Velha

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

quarta-feira 18 maio
quinta-feira 19 maio
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por