Altar, o lugar do sacrifício e do banquete (parte III)

“Tomai e bebei todos(…), tomai e comei todos (…). Fazei isso em memória de mim” (Lc 22, 19)

No Brasil, em vista da colonização a partir de 1500, é forte a marca do período barroco. As construções religiosas seguindo modelos europeus foram adaptadas à realidade local, dando origem ao estilo coloquial brasileiro que perdura no nosso imaginário religioso. 

Entre as duas guerras mundiais, sobretudo a partir do Movimento Litúrgico, a Igreja busca resgatar o significado e dignidade próprios do altar. Surgem  propostas para uma nova organização do espaço celebrativo litúrgico e seus componentes constitutivos. Gatti recorda que o altar não pode ser apenas objeto útil à celebração, mas sinal desta. E Brouard, que “os fieis se reúnem em torno de um espaço que é vazio, para lembrar o mistério da Presença divina, cujo lugar central por excelência é o altar. Este deve, pois, ser modesto e colocado com justeza para mostrar o respeito à alteridade de Deus e à comunhão fraterna dos fiéis preparados para a celebração eucarística”.

O Concílio Vaticano II retorna a centralidade da Eucaristia na vida da Igreja. O altar é o centro da celebração e, ao mesmo tempo, memorial, presença e anúncio. A Igreja nos orienta que este seja fixo, significando de modo mais claro e permanente o próprio Jesus Cristo, Pedra viva. Seja de material digno e sólido, como a pedra natural ou a madeira. Os castiçais sejam colocados sobre ele ou nas suas laterais. A ornamentação com flores seja moderada, não sobre, mas junto a ele. Sobre a mesa do altar pode ser colocado somente o que se requer para a celebração da Missa. Só a Deus ele é dedicado, pois só a Deus é oferecido o Sacrifício Eucarístico, por isso deve ocupar lugar que seja o centro convergente de todas as atenções.

“Olhai, pois, Senhor, para este altar que preparamos para celebrar vossos mistérios; que ele seja o centro de nosso louvor e ação de graças (…) e, aproximando-nos de Cristo, a pedra viva, (…) em louvor de vossa glória”.

Raquel Tonini, membro da Comissão de Arte Sacra da Arquidiocese de Vitória

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
segunda-feira 5 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Segundo Dia Oitavário
terça-feira 6 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Terceiro Dia Oitavário
quarta-feira 7 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Quarto Dia Oitavário
quinta-feira 8 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Quinto Dia Oitavário
sexta-feira 9 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Sexto Dia Oitavário
sábado 10 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Sétimo Dia Oitavário
domingo 11 abril
4:00 pm - 6:00 pm Missa Oitavo Dia Oitavário
Nenhum evento encontrado!