Badalar dos sinos no Ministério Público

16 novembro, 2021

O badalar dos sinos na igreja matriz da paróquia Nossa Senhora da Conceição em Guarapari foi parar no MP, Ministério Público. Um morador do centro fez denúncia junto à entidade sobre o badalar às 6h da manhã. O procedimento está em tramitação até que o MP obtenha as informações necessárias para responder ao noticiante. A Arquidiocese de Vitória aguarda a tramitação para posicionamento oficial, se necessário. O pároco, pe. Diego Carvalho disse que “o volume do som e tempo de duração obedecem às leis do município” e manifestou desconforto em relação à denúncia junto ao MP.

Padre Diego nas missas de domingo, dia 14 de novembro, explicou aos fiéis que a denúncia havia sido feita e estes manifestaram descontentamento por se tratar de um costume antigo que também representa a presença da Igreja Católica na cidade.

Os sinos carregam muitas simbologias que ao longo do tempo foram se modificando. Indicavam as horas, anunciavam eventos diversos com toques diversos ou a morte de um fiel e, principalmente, o badalar dos sinos têm o poder de elevar nosso pensamento a Deus ou anunciar o começo de uma missa. Enfim, ouvir o badalo de um sino é lembrar de fazer uma pausa e conversar com Deus.

Na igreja matriz da paróquia em Guarapari os sinos tocam  às 6h, 9h, 12h, 15h e 18h, e, ainda segundo o pároco a duração é de 1 minuto.

O professor Edebrande Cavalieri escreveu em forma de poema sobre o tema:

NÃO CALEM OS SINOS!

Um processo contra um padre,

Uma guerra de narrativas,

Parece um verdadeiro Fla-Flu

Com gol anulado injustamente.

E eis que o padre ameaça

Deixar a cidade.

Dois exércitos se formam.

Seriam novas cruzadas?

Mas que culpa têm os sinos?

Ali foram postos para chamar o povo.

Vivemos um mundo de surdos

Que nem os sinos mais podem mostrar sua arte sônica.

Há muito tempo que eles foram calados

E juntos deles também as pessoas foram silenciadas.

Vive-se numa barulheira,

Silenciosa.

Que paradoxo!

O pipocar de fuzis e metralhadoras

Garantem o som das madrugadas

E também dos dias claros.

Quanta diferença do som sinal.

Mas os sinos não podem soar.

O ronco das motos

Com cano de descarga aberto

Em alta velocidade

Estremecem a cidade.

Os fogos afugentam os pets

Que se escondem debaixo das mesas das casas.

E os sinos emudeceram para sempre.

Como era lindo ouvir os três sinos daquela capelinha do interior

Tocados em forma de arte harmônica,

Com cada toque de acordo com o acontecimento.

Os três sinos, em movimento acorde,

Celebravam os chamados para a oração e a festa.

Mas um toque apenas,

Geralmente do mais grave

Era sinal que alguma pessoa

Caiu em silêncio profundo

E seria enterrada no dia seguinte.

Os sinos chamavam para a festa

E para a morte.

Mas agora foram silenciados.

Acho que nosso mundo perdeu o rumo do encanto

Só lamento e tristeza.

Não dá para calar a alegria,

Não dá para silenciar a convocação para a paz.

A guerra na cidade instituída

É que precisa ser silenciada,

Para ouvirmos apenas o som da paz.

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

quarta-feira 8 dezembro
quinta-feira 9 dezembro
sexta-feira 10 dezembro
sábado 11 dezembro
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por