Deus nos conceda a paz

2 março, 2022

“A oração, a caridade e o jejum são os meios principais que permitem a Deus intervir na nossa vida e na do mundo. São as armas do espírito”, ressalta o Papa Francisco em sua homilia, lida pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, na Basílica de Santa Sabina, no dia de oração e jejum pela Ucrânia, e início do Tempo da Quaresma.

O secretário de Estado Vaticano, cardeal Pietro Parolin, presidiu a missa de imposição das Cinzas, na tarde desta quarta-feira (02/02), na Basílica de Santa Sabina.

Por causa de uma dor no joelho, o Papa Francisco não celebrou a Eucaristia, e sua homilia foi lida pelo cardeal Parolin.

“Na Quarta-feira de Cinzas, a nossa atenção se concentra no compromisso exigido pelo caminho de fé do que no prêmio que daí nos advém. Hoje, o discurso de Jesus retorna a este termo, recompensa, que parece ser a mola do nosso agir. Em nós, no nosso coração, há uma sede, um desejo de alcançar uma recompensa, que nos atrai e move a cumprir aquilo que fazemos”, afirma o Papa no texto.

A aparência é uma doença espiritual

Segundo Francisco, o Senhor distingue dois tipos de recompensa. “Temos a recompensa junto do Pai e, a recompensa junto dos homens. A primeira é eterna, é a verdadeira, definitiva, é o objetivo da existência. A segunda é transitória, é um encandeamento que nos prende quando a admiração dos homens e o sucesso mundano representam para nós a coisa mais importante, a maior gratificação”, frisa ele. “Trata-se de uma ilusão: é como uma miragem que, uma vez alcançada, nos deixa de mãos vazias. Quem tem em vista a recompensa do mundo nunca encontra paz, nem sabe promover a paz, porque perde de vista o Pai e os irmãos”, disse o purpurado, acrescentando:

O rito das cinzas, que recebemos sobre a cabeça, quer subtrair-nos ao encandeamento de preferir a recompensa junto dos homens à recompensa junto do Pai. Este sinal austero, que nos leva a refletir sobre a caducidade da nossa condição humana, é como um remédio de sabor amargo, mas eficaz para curar a doença da aparência. É uma doença espiritual, que escraviza a pessoa, levando-a a tornar-se dependente da admiração dos outros. É uma verdadeira «escravidão dos olhos e da mente», que nos induz a viver buscando a vanglória, de modo que conta não a pureza do coração, mas a admiração do povo; não o olhar de Deus sobre nós, mas como nos olham os outros. E não é possível viver bem, contentando-se com esta recompensa.

Quaresma, caminho de cura

Segundo o Papa, “esta doença da aparência mina também os âmbitos mais sagrados. É sobre isto que Jesus insiste hoje: também a oração, a caridade e o jejum podem tornar-se autorreferenciais. Em cada gesto, mesmo no mais belo, pode esconder-se a traça da autocomplacência. Assim, o coração não é completamente livre, porque não procura o amor ao Pai e aos irmãos, mas a aprovação humana, o aplauso do povo, a sua própria glória. E tudo pode se transformar numa espécie de ficção em relação a Deus, a si mesmo e aos outros”. “Por isso, a Palavra de Deus nos convida a olhar o nosso íntimo para ver as nossas hipocrisias. Façamos um diagnóstico das aparências que buscamos; tentemos desmascará-las. Irá nos fazer bem”, afirma o Pontífice. A seguir, o cardeal Parolin disse:

A Quaresma é um tempo que o Senhor nos deu para voltarmos a viver, sermos curados interiormente e caminharmos para a Páscoa, para aquilo que não passa, para a recompensa junto do Pai. É um caminho de cura. Não para mudar tudo da noite para o dia, mas para viver cada dia com um espírito novo, com um estilo diferente. Para isto servem a oração, a caridade e o jejum: purificados pelas cinzas quaresmais, purificados da hipocrisia da aparência, reencontra-se a força plena para voltar a gerar uma relação viva com Deus, com os irmãos e consigo mesmo.

O Papa convida a rezar, neste tempo de Quaresma, com os olhos fixos no Crucifixo: “Deixemo-nos invadir pela comovente ternura de Deus e, nas suas chagas, coloquemos as nossas e as do mundo. Não nos deixemos levar pela pressa, fiquemos em silêncio diante d’Ele. Redescubramos a essencialidade fecunda do diálogo íntimo com o Senhor.”

Oração, caridade e jejum são remédios para todos

Segundo o Pontífice, “se a oração for verdadeira, não pode deixar de se traduzir em caridade. E a caridade nos liberta da escravidão pior: a escravidão de nós mesmos. A caridade quaresmal, purificada pelas cinzas, nos reconduz ao essencial, à alegria íntima que existe no dar. A esmola, dada longe dos holofotes, dá paz e esperança ao coração”.

“Por fim, o jejum” que o Papa afirma não ser “uma dieta”. “O jejum nos leva de novo a dar o justo valor às coisas. Concretamente, recorda-nos que a vida não deve estar submetida ao cenário passageiro deste mundo. O jejum não deve se restringir apenas ao alimento: especialmente na Quaresma, deve-se jejuar daquilo que gera em nós dependência. Cada qual pense nisto, para fazer um jejum que incida verdadeiramente na sua vida concreta.”

Mas, se a oração, a caridade e o jejum devem amadurecer no segredo, os seus efeitos não são secretos. Oração, caridade e jejum não são remédios só para nós, mas para todos: podem, de facto, mudar a história. Não só porque quem sente os seus efeitos, quase sem se aperceber também os transmite aos outros, mas sobretudo porque a oração, a caridade e o jejum são os meios principais que permitem a Deus intervir na vida nossa e na do mundo. São as armas do espírito e é com elas que, nesta jornada de oração e jejum pela Ucrânia, imploramos a Deus aquela paz que os homens sozinhos não conseguem construir.

Fonte: Vatican News

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

sábado 28 maio
terça-feira 31 maio
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por