É ERRADO EXPRESSAR A RAIVA?

2 setembro, 2022

Aristóteles em sua famosa obra Ética a Nicômaco, resume magnificamente a resposta a essa pergunta: Qualquer um pode zangar-se – isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e de maneira certa – isso não é fácil”. Então a resposta é simples, não é errado expressar a raiva se você o fizer de modo certo. Destrinchar essa frase é um passo a passo para agir com inteligência emocional, a única maneira de expressar a raiva de forma efetiva. E o que isso realmente significa? É simples: zangar-se para agir na superação do problema sem criar outro. E como fazer isso? Uma metáfora boa é um semáforo (ou sinal) de trânsito: Pare(vermelho)Olhe(amarelo) e Siga(Verde).

1º PARE: Não reaja antes de pensar. Se a raiva estiver grande, sai de perto do que está lhe perturbando. Dá o tempo para se acalmar. A raiva embaralha sua visão, sua mente. Sua emoção tem que estar a seu serviço e não você a serviço dela.

2º OLHE / PENSE – analise a situação: por que fiquei com raiva? Por que isso me abalou? Por que se me deixei abalar por isso? O que em você facilitou que isso acontecesse? O que evitaria que isso acontecesse de novo? Faça tantas perguntas até que fique claro qual é a verdade da situação frustrante. Depois analise: seu motivo para ficar com raiva é certo, justificável, ético? Se tornasse público seu motivo, você se envergonharia? Se seu motivo é certo, então continue a análise, se não, toma um banho (de mar é ainda melhor) e esfria a cabeça. Se o motivo é certo, continue a análise.

Qual é a realidade da pessoa que me fez raiva? Por que ela fez o que fez? Ela é a responsável pelo problema ou é apenas a “mensageira” da frustração (é a pessoa certa?)? Delimitado o problema, seu motivo certo e a pessoa certa, passo a pensar em como enfrentar o problema para superar a minha necessidade frustrada.

A medida certa é definida pela agressão vivida, a frustração sentida. De uma cara emburrada ao rompimento do relacionamento, por exemplo. A falha foi grave? Uma advertência seria suficiente? Exagerar na medida é muitas vezes causar problemas futuros. Ser justo é o parâmetro. Não dá para enfrentar uma pulga com um canhão! Nem cutucar um monstro com vara curta!

A hora certa pode também determinar o fracasso ou o sucesso da sua ação. Chamar a atenção na frente dos outros, quando o outro está sob forte estresse por exemplo, ou ainda depois que já se passou muito tempo da frustração, é pouco produtivo.

A maneira certa é a “chave de ouro” para a solução do problema: como superar o problema? Quem tem esse poder? Como posso ter acesso à pessoa que tem o poder de mudar a situação frustrante? Qual a maneira certa para superar o problema? As perguntas podem ser diversas conforme o problema, mas o foco é destrinchar o problema e olhar além dele. Pense em diversas soluções. Pense em todas as consequências. Para ilustrar vou dar um exemplo que vivi:

Dona Maria residia com seu marido em Jaburu, uma comunidade estabelecida em um morro imenso. Ele teve um AVC e não conseguia nem falar e nem andar e estava internado no Hospital X de Vila Velha. Deram alta para ele sem avisar família e o deixaram ao pé do morro, em cima de um lençol (sua casa era mais de 2500 degraus acima). Ele ficou meia hora lá, sem conseguir pedir ajuda, até aparecer um conhecido que o levou para casa, com a ajuda de outros. Dona Maria chegou chorando e me contou. Fiquei revoltada. Estava zangada pelo motivo certo: e pensei preciso resgatar os dois da humilhação sofrida. Comecei a pensar a quem deveria dirigir a minha raiva: seria do maqueiro que o largou lá? Do motorista que o levou até lá ou de quem possibilitou que isso acontecesse? Então quem é esse responsável? Quem dá as diretrizes clínicas em um hospital? O Diretor Clínico, certo? Sim, esta é a pessoa certa. E a maneira certa? Se eu for lá mostrar minha revolta para ele vai adiantar? Será possível que ele não saiba o que está acontecendo? Não acredito. Se eu for lá possivelmente ele vai me atender gentilmente, e depois colocar a minha reclamação na gaveta. Então quem tem mais poder para atingir o hospital para que isso não aconteça mais com pessoa nenhuma? Acertou se respondeu a mídia! E qual é a hora certa? Daqui a uma semana ou um mês? Não, a mídia se interessa pelo que está acontecendo hoje. A forma certa? Fazer uma denúncia imediatamente à Televisão. A televisão de fato foi lá, fez a reportagem, os amigos todos viram a reportagem na casa deles, no horário nobre e a honra e o respeito ao Sr. José e Dona Maria foram resgatados.Eles se sentiram importantes

3º SIGA / AJA – Como no exemplo acima, quando a situação estiver mapeada você pode e deve agir.

Seguindo esses três momentos (Pare, Pense e Aja) e consciente da situação e de si mesmo, você pode canalizar sua energia agressiva de forma assertiva e agir com autocontrole, na direção do planejado e assim se esforçar para superar o problema. A autoconsciência, é a chave para ser verdadeiramente inteligente emocionalmente, porque permite a pessoa exercer autocontrole. De que adianta expressar a raiva sem resolver o problema? De que adianta criar atrito e continuar com o problema. Só um caminho é valido: pare, pense e age assertivamente!

Vania Reis

[email protected]

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

segunda-feira 3 outubro
quarta-feira 5 outubro
sábado 8 outubro
domingo 9 outubro
Nenhum evento encontrado!

Facebook