História do Seminário

Logomarca dos 70 anos do Seminário Arquidiocesano.

A fundação do Seminário Menor

Aos quatros dias do quarto mês do ano de 1951, na chácara da Praia de Santa Helena, reuniu-se uma multidão que se espremia para assistir a um momento histórico da Diocese do Espírito Santo: a inauguração do Seminário Menor Nossa Senhora da Penha. 

Achegavam-se os colaboradores da OVS (Obra das Vocações Sacerdotais), que auxiliaram na arrecadação da quantia necessária para a aquisição do terreno pertencente aos senhores Konsciusko e Aristóbulo Barbosa Leão, também ali presentes. Antes de todos, porém, chegara o Bispo Dom Luiz Scortegagna, que estava ansioso por este grande dia. A luz do sol irradiava alegria, como que festejando com a Igreja espíritosantense, essa graça de Deus. 

A emoção era percebida no semblante dos fiéis e do clero diocesano que participou da Missa Solene de fundação do Seminário. Sobretudo nas feições do Senhor Bispo, especialmente quando, ao final da Celebração, viu chegar o então Mons. João Batista da Mota e Albuquerque, reitor do Seminário Maior São José do Rio de Janeiro, representando o Cardeal Jaime de Barros Câmara. 

Como forma de agradecer o empenho e a dedicação do Padre Franz Victor Rúdio, diretor da OVS, este foi feito primeiro Reitor do Seminário no mesmo ato, por meio da ata manuscrita lavrada pelo Padre Acácio Valentim de Morais, que viria a ser seu sucessor no ano seguinte, permanecendo nesse ofício por doze anos. 

Estudos superiores e primeiros frutos

Naquele tempo, os seminaristas menores que estudavam as séries iniciais do ensino fundamental (1º grau), tinham que completar sua formação no Seminário Menor de Mariana (MG). Somente nove anos depois de sua inauguração, a primeira turma foi enviada para a formação dos ensinos superiores no Seminário da Arquidiocese de Belo Horizonte, sob o governo de Dom João Batista da Mota e Albuquerque. 

Mesmo diante de muitas dificuldades, não faltou a Providência Divina, que garantiu a subsistência dos seminaristas que, com dedicação e com o apreço do povo, eram enviados a Minas Gerais para estudarem Filosofia e Teologia. Dentre as grandes mudanças que acompanharam a história da Casa de Formação, podemos recordar da sua passagem pelo município de Viana, na Fazenda São José, bem como pelo Orfanato Cristo Rei – atual Cúria Metropolitana – no Centro Vitória, no ano de 1969. 

Ventos e tempestades não puderam abalar essa árvore frondosa no jardim da Igreja. Eis, pois, que desde seus primeiros frutos (Pe. Rubens Duque, Mons. Adwalter Carnielli, Côn. José Ayrola Barcelos, Côn. Maurício de Matos Pereira, Mons. Arnóbio Passos Cruz), o Seminário nunca mais deixou de frutificar em vocações. Também não foram poucos os que semearam e trabalharam nessa seara. Destaque-se o empenho de Pe. Geraldo Lyrio Rocha (futuro Bispo de Colatina e posteriormente Arcebispo de Mariana), para que o Seminário estivesse em pleno funcionamento, mesmo num período de escassez de vocações. 

O Seminário Maior

Em 1984, após a morte de Dom João Batista (1º Arcebispo), assumiu como Arcebispo da Igreja Particular de Vitória Dom Silvestre Luiz Scandian, responsável por erigir o Seminário Nossa Senhora da Penha como Seminário Maior em 1992, e em 1995, a Casa Bom Pastor (Propedêutico). 

Como se sabe, o mar tocava o terreno onde se encontra o Seminário, não havia prédios ao redor e, diariamente, à noite, os seminaristas voltados para o Convento da Penha, cantavam diante do antigo casarão um hino em honra à Padroeira do Estado e finalizavam suas atividades. Hoje, já não há casarão, nem se pode ver o mar, nem mesmo o Convento da Penha. Contudo, diante da bela história dessa Casa de Formação, sem dúvida, a Virgem Maria, do alto da pedra, continua a velar com amor de Mãe aos seus filhos seminaristas, derramando um mar de graças vindas de seu Filho Jesus Cristo! 

Que todo o povo de Deus veja nessa história o cuidado de Deus para conosco, e a proteção da Senhora das Alegrias sobre todo nosso Estado: detentor de um povo alegre e de fé, de uma Igreja Viva e impulsionada pela força dinâmica do Espírito Santo. 

Seminário: 70 anos de fundação em 2021

O Seminário Arquidiocesano Nossa Senhora da Penha celebra neste novo ano que se inicia seu septuagésimo aniversário. Para comemorar a data, diversos eventos estão sendo preparados por nosso Seminário em toda a Igreja Particular de Vitória. Assim, idealizamos uma logomarca que pudesse marcar especialmente esta ocasião (foto do cabeçalho), cuja simbologia está descrita a seguir:

Por primeiro, destacam-se suas extremidades, cujo formato faz alusão ao pórtico de nosso Seminário. A porta é o lugar por onde simbolicamente nossos jovens vocacionados adentram para iniciar o processo formativo com o firme propósito de seguirem Jesus, o Bom Pastor que nos envia como discípulos-missionários de seu Evangelho (Mt 28,19). Ademais, a Virgem Maria, nossa patrona, é invocada em sua litania como “Porta do Céu”.

Figura-se ao centro, a estampa de Nossa Senhora das Alegrias, título original da devoção mariana ao qual nossa Casa é dedicada. Sobressaindo-se sobre os dizeres da logo, Maria nos recorda que Cristo é centro de nosso júbilo. Como na passagem das Bodas de Caná (Jo 2, 1-11), Ela nos aponta que em Jesus revigoramos o ânimo e a segurança de nosso “SIM”! Ao fundo, a paisagem parcial da entrada de nosso Seminário é sustentada pelos traços de um caminho, que nos recorda a ladeira da colina Santa Helena, espaço circunscrito para a edificação do Seminário.

Em todos estes detalhes salienta-se a cor dourada que simboliza a elevada dignidade, própria dos batizados, filhos de Deus que O seguem e O temem, particularmente dos que consagram sua vida à serviço dos irmãos. Invocando o patrocínio da Mãe de Deus, desejamos pressurosos que nossa caminhada, sustentada na fidelidade, seja para a maior glória de Deus e salvação de todos, até a recompensa na Pátria Celeste. 

Viva Jesus Cristo! Viva a Igreja! Viva nosso Seminário!

NOSSA PADROEIRA

Nossa Senhora da Penha

A imagem de Nossa Senhora da Penha que se venera no altar-mor do Convento em Vila Velha – ES, foi encomendada de Portugal por ordem do fundador do convento, Frei Pedro Palácios, em 1569. Suas vestes inspiraram o Dr. Jerônimo Monteiro – então governador do Espírito Santo – a estabelecer em 1908 as mesmas cores para a bandeira do Estado. Em 1947, quando a bandeira foi oficializada, o vermelho do manto da padroeira foi trocado definitivamente pela cor rosa. 

O Menino Jesus no colo de Nossa Senhora da Penha é a razão pela qual a Virgem Maria é Senhora, rainha e mãe da humanidade. A imagem do Menino Jesus também carrega símbolos como o cetro na mão direita e o globo na esquerda, como afirmação de sua realeza. 

Nossa Senhora da Penha é padroeira do Seminário Arquidiocesano, pois, além de estar carinhosamente presente na religiosidade do povo capixaba; ao tempo em que o Seminário foi fundado, em 1951, desde o casarão se podia contemplar o Convento da Penha e era costume de todas as noites voltarem-se todos a ele para elevar louvores e preces. 

“Mais sacerdotes. Oh! Mãe envia! Sábios e santos, Ave Maria!” (Trecho do Hino a Nossa Senhora da Penha)

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por