“Quem não segue o Concílio não está na Igreja”!

3 fevereiro, 2021

Edebrande Cavalieri

Não é comum um Papa proferir um discurso extenso e duro, como o que foi dirigido no dia 24 de janeiro passado ao Escritório Catequético da Conferência Episcopal Italiana quando fez essa afirmação tão contundente e também tão óbvia de que o Concílio é magistério da Igreja, é ensinamento, e quem não segue não está na barca de Pedro. Por que motivo o Papa está falando assim e o que ele quer apontar como caminho para os cristãos católicos?

Francisco é o primeiro papa ordenado sacerdote depois do Concílio, 1969. Estudou teologia bebendo das fontes de renovação da Igreja. E agora enfrenta o desafio de conduzir a Barca de Pedro de acordo com esse grande ensinamento. Paulo VI dizia que o Concílio “será o grande catecismo dos novos tempos” e a tarefa da catequese está exatamente na busca de compreensão dos problemas que surgem do coração do homem para levar de volta ao dom do amor que cria e salva. Essa é missão da Igreja.

Esse discurso tão forte do Papa me lembra a história descrita em Atos 15 conhecida como Concílio de Jerusalém. A Igreja nascente estava dividida, cada um tentando levar para o seu modo de ver e agir, achando que esse seria o caminho da salvação. Parecia até uma briga política entre “esquerda e direita”, o grupo de Paulo e Barnabé e o grupo de Tiago. O foco da questão estava no quesito da circuncisão, considerada por um grupo como essencial à salvação, como se fosse uma doutrina, uma Lei canônica, um desígnio do Senhor, afinal estava escrito na Bíblia em Gênesis 17, 11: “Todos os do sexo masculino entre vocês serão circuncidados na carne”.

Os primeiros cristãos eram judeus e circuncidados conforme estabelecia a Sagrada Escritura, mas no momento em que o cristianismo se expande com o trabalho missionário de Paulo e Barnabé em territórios de população helênica, portanto não judaica, como proceder? Um grupo acha que o que estava estabelecido no Antigo Testamento deveria permanecer intocável como Lei para todos os povos. Mas por que considerar a circuncisão um dogma imutável indispensável para a salvação? Paulo é taxativo. Com Cristo nos libertamos de maneira total, e é preciso vigiar para não se submeter “novamente a um jugo de escravidão”. E completa de maneira incisiva: “Caso se deixem circuncidar, Cristo de nada lhes servirá” (Gl 5, 2). Como essa palavra de Paulo faz tanta falta nos dias atuais com tantos querendo impor jugos da escravidão superados com a vinda de Cristo!

Esse é um dos pecados que a Igreja incorreu em alguns momentos de sua história: considerar o que é transitório, o que faz parte da cultura, da história daquele momento, como algo dogmático, definitivo e derradeiro. Nos dias atuais tem diversos grupos se alinhando a essa forma de pensar o caminho da salvação. E recorrem às Leis e orientações de um passado bem remoto, anterior ao Concílio Vaticano II, aplicando aos dias atuais. Como é comum ouvir tantas pessoas dizendo: “Tá na Bíblia”! Eu sempre respondo que tem tantas coisas na Bíblia, especialmente no Antigo Testamento, que se tomarmos literalmente o texto sagrado ficaremos presos e perdidos com certas normas de conduta especialmente de cunho moral. Mas até líderes religiosos estão com preguiça de se debruçar sobre os textos e estudá-los seriamente. Tomam o caminho do fundamentalismo fácil, que serve apenas para exercício de dominação.

Na Igreja atual tem aumentado o número de pessoas e grupos querendo impor o próprio modo de ver, o próprio modo de pensar e viver o Evangelho para toda a comunidade, para todo mundo. E quando encontram pessoas que pensam e agem de maneira diferente logo chamam de “comunistas”, de “hereges”, etc. Nem o próprio Papa escapa dessas condenações. Alguns chegam ao ponto de negar o próprio Concílio dizendo estar ultrapassado. E ressuscitam Encíclicas de Papas do passado para impor um caminho restaurador. Fazem dessas coisas aplicáveis em tempos antigos código de normas e dogmas absolutos. Atacam o próprio Papa Francisco, timoneiro da barca de Pedro.

Volto novamente ao testemunho de Atos 15 que assim registra aquele encontro em Jerusalém: “Depois de muita discussão, Pedro levantou-se e dirigiu-se a eles: ‘Irmãos, vocês sabem que há muito tempo Deus me escolheu dentre vocês para que os gentios ouvissem de meus lábios a mensagem do Evangelho e cressem’”. Vejam que Lucas não esconde a tensão na assembleia. O clima esquentou mesmo. E observem o lugar de Pedro escolhido pelo próprio Jesus, que é o mesmo lugar do Papa em todos os tempos da história da Igreja.

A Igreja nascente aprendeu desde o início que o caminho da evangelização não é conduzido isoladamente por um apóstolo, por uma pessoa. O caminho é sinodal, é coletivo. E a decisão, tomada em conjunto e assumida pelo sucessor de Pedro, deve ser respeitada sempre, deve ser seguida. Todos os apóstolos se submeteram à decisão tomada em Jerusalém. Esse é o primeiro exemplo de sinodalidade da Igreja enfatizada intensamente no Concílio Vaticano II.

E ainda Lucas acrescenta que Deus não faz nenhuma distinção entre os judeus circuncidados e os pagãos não circuncidados. Pedro em seu discurso de encerramento é mais duro ainda com um dos grupos: “Então, por que agora vocês estão querendo tentar a Deus, pondo sobre os discípulos um jugo que nem nós nem nossos antepassados conseguimos suportar?” E logo toda a assembleia se calou, cada um colocando o rabinho entre as pernas. E o próprio Tiago que liderava o grupo que queria obrigar os pagãos à circuncisão conclui dizendo que “não devemos por dificuldades aos gentios que estão se convertendo a Deus”.

É assim que se caminha na Igreja. E não como aqueles que ao terminar o Concílio Vaticano II romperam com a Igreja pregando contra as decisões tomadas pelos padres conciliares. Até hoje há alguns herdeiros daquelas posturas radicais pós-conciliares e andam fazendo miséria no seio da Igreja. Não apenas pessoas, mas também grupos religiosos que se não negam abertamente o Concílio, o renegam em termos de caminho eclesial, prático, pois buscam desvios restauradores. Ou seja, ouvem o Papa, mas seguem caminho próprio e contrário ao Pontífice.

O Papa Francisco ainda precisa lembrar a todos nós que “o Concílio é magistério da Igreja. Ou você está com a Igreja e, portanto, segue o Concílio, e se não segue o Concílio ou o interpreta a sua maneira, a sua própria vontade, você não está na Igreja”. Não se negocia o ensinamento, o Concílio. E Francisco esclarece ainda mais: “Isso me faz pensar tanto num grupo de bispos que depois do Vaticano I foram embora, com um grupo de leigos, para continuar a ‘verdadeira doutrina’ que não era a do Vaticano I”. Nada diferente com o que aconteceu com um pequeno grupo no Concílio Vaticano II.

Por fim, Francisco fala mais diretamente ao Escritório Catequético: “A atitude mais severa para custodiar a fé sem o magistério da Igreja nos leva à ruina. Por favor, nenhuma concessão para aqueles que tentam apresentar uma catequese que não esteja de acordo com o Magistério da Igreja”.

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

quinta-feira 28 outubro
sexta-feira 29 outubro
sábado 30 outubro
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por