Romaria das Mulheres marca encerramento do Oitavário

24 abril, 2022

Encerrando o oitavário de Nossa Senhora da Penha aconteceu na tarde de hoje (24) a Romaria das Mulheres, saindo do Santuário Divino Espírito Santo, no Centro de Vila Velha e seguindo pelas ruas da cidade até o Parque da Prainha, onde foi realizada a Missa de encerramento presidida pelo Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Vitória, Dom Andherson Franklin. Milhares de mulheres e famílias fizeram o percurso entoando cantos e rezando junto da imagem de Nossa Senhora da Penha que foi conduzida pelo Penhamóvel.

Ao chegar na Prainha a acolhida estava sendo feita pelo padre Renato Criste – Coordenador Arquidiocesano de Pastoral – que relembrou o tema central da festa deste ano: “Saúde dos enfermos, rogai por nós”. O tema deste oitavo dia do oitavário foi “Saúde integral” e Frei Gustavo Medella conduziu o momento devocional antes do início da Santa Missa. Antes de proclamar o evangelho o franciscano convidou que todos façam um exercício de imaginação: “nesta multidão que estamos reunidos imaginemos Jesus caminhando no meio de nós”.

Em sua reflexão ele fala sobre a cura integral que o evangelho conta: “Que cada um de nós ou cada uma de vocês podem também se identificar com essa mulher em suas dores, suas lutas, em seus medos e inquietações e cada uma tem a chance de tocar o manto de Jesus e sentir essa cura que lhe toma por inteira, querida mulher participante dessa Romaria. Hoje quando falamos em saúde integral, nós queremos resumir o tema da festa que se desdobrou a cada dia falando de um aspecto da saúde”.

E antes de encerrar o momento, frei Gustavo recordou a fala do Papa Francisco naquela celebração no início da pandemia, em que sozinho na praça de São Pedro, na imagem que ganhou o mundo, ele disse: ‘seria muita ilusão de nossa parte imaginarmos que poderíamos ficar ou viver saudáveis num mundo doente’. “Nossa saúde depende da saúde do mundo e vice e versa, por isso vamos trabalhar por este equilíbrio, vamos proteger o nosso planeta, vamos cuidar das nossas relações, vamos olhar nos olhos uns dos outros e nos reconhecermos como irmãos dizendo não a guerra, não a violência, não a fome, não a injustiça e saúde para todos. Que é o grande programa proposto por Jesus Cristo em João capítulo 10, versículo 10: ‘Eu vim para que todos tenham vida e a tenham plenamente’”.

A liturgia da Celebração Eucarística e a música ficaram sob responsabilidade do Movimento Mães que Oram pelos Filhos. A fundadora Angela Abdo fez a acolhida. Em sua homilia Dom Andherson Franklin, deu um grande destaque para o dom do amor: “Irmãos e irmãs diante da Virgem da Penha somos peregrinos. Jesus hoje se apresenta aos seus discípulos e eles se alegram por tê-lo visto ressuscitado. Do coração de cristo sai um fogo abrasador que é o espírito santo, comunicado a Igreja, chamado a curar os corações doloridos, curar este mundo ferido e marcado por tantas dores e nós hoje principalmente as nossas irmãs, as mulheres que fazem dessa celebração, uma celebração única. Seremos enviados daqui como um salmista para cantar a bondade de Deus”.

Dom Andherson lembra que Jesus deu a vida para que toda a humanidade pudesse viver em comunhão com o pai e ao se apresentar aos seus discípulos, eles se alegram, cantam a alegria da vitória da vida sobre a morte que nunca terá e nunca teve a última palavra. “Nós somos estes que acompanhamos a Virgem que canta a alegria da ressurreição. O texto dos Atos dos Apóstolos diz que Maria estava com os discípulos no cenáculo e com certeza ela se alegrou ao ver o seu filho ressuscitado, uma alegria impressa no coração da mãe que se traduz hoje para nós em devoção, em amor e Fé. A Nossa Senhora da Penha é a Nossa senhora que nos convida a vivermos a alegria do evangelho. Homens e mulheres marcados por uma esperança inquebrantável que não se dobra diante das dificuldades que vivemos. Cada um e cada uma aqui sabe a dor que traz da ausência, não só dos dois anos que passamos sem nos reunirmos aos pés da Virgem iluminados pela luz do Convento que é um farol no estado do Espírito Santo, mas porque fomos privados de tantas coisas, porque tanto o povo brasileiro sofreu com o aumento da miséria, com as dores causadas pela fome, com o feminicídio que atinge de forma tão dura o coração deste estado. Mas hoje nós nos reunimos diante da Virgem das Alegrias porque ela diz ‘ele está vivo’”.

O Bispo Auxiliar da Arquidiocese também destacou que em Cristo nós temos a nova criação onde aquele que nos recria é o Ressuscitado, por isso hoje sem fecharmos um milímetro do coração e da vida devemos abrir o nosso coração para que Ele sopre sobre nós o espírito do seu amor. Ele também relembrou que muitas cinzas ficaram sobre os nossos corações neste tempo de pandemia, nos impedindo até de manter viva a nossa Fé, a esperança de tempos novos. “Mas hoje nesta celebração, diante da palavra de Deus, acompanhados da Virgem da Alegria queremos pedir ‘sopra Senhor um espírito novo em nós. Aqueça-nos o coração com o maior de todos os dons do espírito, o amor. Irmãos e irmãs a Virgem Maria, uma menina de Nazaré, acolheu a graça, não sozinha, mas acompanhada do Espírito Santo que nela soprou um fogo abrasador consumindo-a do amor de Deus”.

E antes de encerrar sua reflexão ainda fez um pedido “nós somos filhos e filhas amadas por Deus acolhidos no coração terno de Maria e por isso hoje ela te apresenta ao seu filho pedindo sopra sobre o coração deste ou desta um espírito novo, o ardor do amor. Só o amor é capaz de curar as feridas de um mundo marcado pelo sofrimento, pela dor, de um mundo doente em suas estruturas, doente no coração das pessoas, impedidas de dialogar pelo fechamento, doente na indiferença que dilacera o tecido social e nos impede de entendermo-nos como irmãos e irmãs. Só o amor é capaz de curar e transformar o coração dos que nos governam, para que de fato com solicitude, com bondade, generosidade e compromisso sejam pastores onde estão, de um povo que foi a ele confiado”.

No momento de consagração à Nossa Senhora da Penha, Angela Abdo, afirmou que o que temos de mais valioso e podemos ofertar pra Nossa Senhora é a nossa família. Ela pediu que todas as mulheres levantassem seu celular com a foto dos seus familiares. “Levanta seu celular com a fotografia da família para que possamos ofertar a Nossa Senhora a nossa família neste momento de consagração. Queremos ofertar a nossa vida, nosso coração cheio de misérias, mas também nossa família que é nosso bem mais precioso. Ligando a lanterna levantando as mãos, cada luz levantada neste momento aos pés de Nossa Senhora e aos pés do Penhasco nós queremos mãe mostrar para o Senhor o quanto nós amamos a sua mãe, o quanto gostamos e quanto a gente busca se identificar. Por isso Nossa Senhora olha para o nosso coração, olha para nossa família, olha para os nossos desafios”.

Nesta segunda-feira (25) celebramos o Dia de Nossa Senhora da Penha! Este será o último dia de programação da Festa da Penha 2022. As missas vão acontecer à 0h, 1h, 2h, 3h, 4h, 5h, 6h, 9h e 12h, na Capela do Convento; às 07h tem a Missa do CRB e Seminário no Campinho; às 8h Romaria dos Ciclistas de Vila Velha – com saída, em frente à Praça Sebastião Cibien, em Cobilândia, Vila Velha; às 8h tem a Romaria dos Conguistas, Saída portão do Convento; às 10h, Missa das Pastorais Sociais organizada pelo Vicariato para ação social, presencial no Campinho; às 14h tem o Programa Salve Mãe das Alegrias e às 17h a Missa de encerramento, com transmissão ao vivo pela TV Gazeta e presencial no Parque da Prainha. A presidência será do Arcebispo Metropolitano de Vitória, Dom Dario Campos.

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

quarta-feira 18 maio
quinta-feira 19 maio
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por