Solenidade de São Pedro e São Paulo

3 julho, 2022

“Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão nunca contra ela.” (Mt. 16,18)

Caríssimos irmãos e irmãs, hoje celebramos a Solenidade de São Pedro e São Paulo, bases de nossa Igreja. São Pedro depois de sua morte, que segundo a tradição católica, tornou-se chaveiro do céu. Assim, para entrar no paraíso, é necessário que o Santo abra suas portas. Também lhe é atribuída a responsabilidade de fazer chover. Quando começa a trovejar e as crianças choram com medo, é costume acalmá-las, dizendo: “É a barriga de São Pedro que está está roncando, ou ele está mudando os móveis de lugar”. Brincadeiras à parte são diversas as ações que são atribuídas a esse homem tão importante para a vida da nossa Igreja.

Pedro, cujo nome era Simão, era natural de Betsaida, povoação na Galiléia, às margens do lago de Genesaré, também conhecido como o mar de Tiberíades. Era filho de Jonas e pescador de profissão. Tinha como seu irmão André e com Tiago e João, filho de Zebedeu, uma pequena frota de barcos pesqueiros. Como as pescas eram temporárias e os pescadores do mar da Galiléia, tinham tempo livre durante a baixa estação, presume-se que foi durante um desses períodos que André indo ao encontro de João Batista no rio Jordão, encontrou Jesus. E Jesus, que era um exímio “conhecedor” de homens, após olhar longamente para Pedro, diz: “Tu és Simão, filho de Jonas, serás chamado “Cefas”, que quer dizer “Pedro”. Mudar o nome para outro mais significativo era mudar de orientação e de modo de viver. E foi assim que Simão, o pescador da Galiléia, deixou para trás toda uma história de vida e iniciou outra vida, uma nova história, não mais como Simão, mas como Pedro, o pescador de homens.

Sabemos que Pedro negou Jesus Cristo publicamente por três vezes. Mas é verdade também que por várias vezes publicou a sua fé, como exemplo: “Aonde iremos Senhor, se só tu tens palavra de vida eterna”; “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”; “Senhor, tu sabes que te amo”. São Pedro é considerado o principal discípulo de Jesus Cristo, apóstolo e missionário da primitiva Igreja cristã. Jesus edificou a sua Igreja sobre Pedro, isto é, sobre a Pedra! É maravilhoso ver como a ação de São Pedro vai fazendo a Igreja crescer ao redor do povo. Por isso bastava que a sombra dele passasse para que os doentes fossem curados e os espíritos malignos expulsos. São Pedro, que tivera sua humildade lapidada, reconhece e proclama sempre que tudo é obra da graça Divina e que só Jesus é o Senhor.

A transformação completa de Pedro ainda pode ser observada em suas cartas. Ele, inspirado pelo Espírito Santo, escreveu para que todos nós andemos em temor durante toda a nossa vida. Foi testemunha da gloriosa transfiguração do Senhor, no monte Tabor e foi ele que, em companhia de João, foi encarregado de preparar o cenáculo para a celebração da Páscoa, isto é, a Última Ceia. Pedro, teve muitas dificuldades, mas o Espírito Santo o transformou em um líder dinâmico na Igreja Primitiva.

Os primeiros dez capítulos dos Atos dos Apóstolos, descrevem a atuação marcante do apóstolo Pedro, o grande líder da comunidade cristã após a morte de Jesus. Que, depois de muitas dificuldades e sofrimentos, depois de entregar e empregar a vida em fazer o mundo conhecer e amar a Jesus Cristo, Pedro viu finalmente chegar ao seu fim na terra. Corria o ano de 64 e ele se encontrava encarcerado. Tiraram-no do cárcere e o levaram para ser crucificado. Condenado à morte, São Pedro foi como o Divino Mestre, cruelmente açoitado e em seguida levado à colina vaticana para crucificado. Estando tudo pronto para a execução, São Pedro pediu aos algozes que o pregassem na cruz com a cabeça para baixo, porque se achava indigno de morrer como o Divino Mestre. Assim morreu o primeiro papa da Igreja Católica. No lugar do suplício foi mais tarde edificada a Basílica de São Pedro, onde os restos mortais se encontram na mesma Basílica.

Já o Apóstolo São Paulo, um dos maiores propagadores do cristianismo. Antes de se converter ao Cristianismo era conhecido como Saulo e perseguia os discípulos de Jesus nos arredores de Jerusalém. São Paulo, nasceu em Tarso, na Cilícia (hoje uma região da Turquia), no ano 5 da era cristã, sendo filho de uma família judaica da tribo de Benjamim, que gozavam dos privilégios da cidade romana, o nascer, recebeu o nome de Saulo (do hebreu), que mais tarde alterou para Paulo (do latim), depois da conversão e do batismo.

Paulo passou os primeiros anos de vida em meio à comunidade judaica e frequentou a escola da sinagoga. Um antigo costume judeu era ensinar às crianças algum trabalho útil. Paulo tornou-se tecelão. Ainda adolescente, foi enviado a Jerusalém, onde deveria familiarizar-se mais profundamente com a religião e a cultura hebraica. Em Jerusalém, estudou no templo de Salomão, reedificado e embelezado por Herodes Agripa, o governador da Palestina. A caminho de Damasco, Paulo teve a visão de uma luz incandescente e ouviu a voz de Jesus que lhe indaga sobre as perseguições. No mesmo instante ficou cego e durante três dias entregou-se às orações. A mando de Jesus, Ananias vai a seu encontro, prepara seu batismo, põe a mão em sua cabeça e no mesmo instante Saulo recobra a visão. Impressionado com o ocorrido, é batizado e converte-se ao cristianismo.

Uma vez em Jerusalém, confirmou-se o que São Paulo havia previsto: ele foi perseguido, espancado e preso. Em seu julgamento, por ser cidadão romano, apelou a César. Por isso, foi enviado a Roma, onde chegou por volta do ano 60. Conta a tradição que Paulo esteve em liberdade por um curto período, durante o qual partiu para evangelizar o atual território da Espanha. Depois disso, retornou a Roma, onde foi preso pela segunda vez e, no ano de 67, finalmente decapitado. No entanto, vemos emergir na biografia de Paulo um grande amor por Cristo e pela salvação das almas; um amor sobrenatural que demonstra uma participação na vida divina.

A festa de São Pedro, juntamente à de São Paulo, foi colocada no dia 29 de Junho para ocupar uma antiga celebração pagã que comemorava nesse dia a festa dos mitos Rômulo e Remo, considerados os pais da cidade de Roma. Hoje o papa Francisco, é o sucessor de Pedro! E o representante oficial de Jesus Cristo na terra, o responsável por apascentar todo o rebanho. Entretanto, em meio a tanto dissabor da vida terrena, experimentamos o doce prazer de termos Jesus em nossa vida e de sabermos que não estamos e jamais estaremos sós.

Rezemos para que o Senhor, que fez Pedro e Paulo verem sua luz, que fez deles escutarem sua Palavra, que tocou o coração de ambos intimamente, nos faça ver também sua luz, para que também nosso coração fique tocado por sua Palavra e também nós possamos dar ao mundo de hoje, que tem sede, a luz do Evangelho e a verdade de Cristo.

 

Wesley Murilo de Abreu Roveda

Seminarista do 1º ano de filosofia

Paróquia de origem: Nossa Senhora da Saúde, Morada de Laranjeiras, Serra – ES;

Paróquia de pastoral: Nossa Senhora Aparecida, Cobilândia, Vila Velha – ES.

Compartilhe:
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

VÍDEOS

quinta-feira 11 agosto
sexta-feira 12 agosto
domingo 14 agosto
segunda-feira 15 agosto
Nenhum evento encontrado!

Facebook

endereço

R. Soldado Abílio Santos, 47
Centro, Vitória – ES, 29015-620

assine nossa newsletter

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

© Copyright Arquidiocese de Vitória. Feito com por